quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Saudades...

Sol, calor, suor, jersey aberto...
Tenho saudades de um dia como este, ou este....

domingo, 26 de dezembro de 2010

2011

Não é bem isto mas quase...



Em 2011 vou fazer umas trocas:
quadros, componentes e ... 
... pedalar também!

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Tróia - Sagres com os Randonneurs.

Um blog que tenho acompanhado há uns dois ou três anos é o "A Dinâmica do Pedal" do Pedro Alves. Desde então temos trocado umas mensagens. No ano passado através de uma iniciativa do Rui, encontrámo-nos na mesma estrada pedalada na noite da sexta-feira passada! Nesse Agosto de 2009 o grande adversário foi o calor!
Nesse mesmo ano o Pedro e o Albano os meus companheiros desta viagem, fizeram o "Portugal na Vertical", que fizeram nada mais, nada menos do que partir de Viana de Castelo, até Sagres de bicicleta e de uma só vez. Este ano repetiram a dose, mas agora já com outra ideia na cabeça. Uma coisa chamada Paris-Brest-Paris. Mas já estou a fugir do tema deste post por isso façam uma pesquisa e cliquem aqui.
Tudo isto para dizer que em Outubro no Festival Bike, encontrei-me com o Pedro Alves e o Albano Simões que me fizeram um convite, fazer o Tróia-Sagres de noite...
Bem, na altura fiquei logo entusiasmado, faltava um mês e apesar de não ter pedalado quase nada nesse mês (3 horas...), achei que iria conseguir treinar o suficiente para os acompanhar, mas... este mês de Novembro foi bem chuvoso o que me limitou as minhas saídas (17 horas).
Mas a data estava marcada, e na sexta-feira lá estava eu a jantar com o Pedro no centro comercial Colombo. Curiosamente a abrirmos a boca com sono!!! Depois de nos encontrarmos com o Albano, lá partimos. Chegámos a Setúbal ás 23:45. O último Ferry tinha partido ás 23:30.
Os senhores do Catamaran abriram uma excepção e deixaram-nos passar com as bicicletas às 24:00...
Sem antes confortar a alma com estas preciosidades.
Parecíamos uns "androides" ( explicação fica mais em baixo), pessoalmente lembrei-me de uma série que dava nos anos oitenta em que o herói andava em carros e motas cheias de luz e fazia as curvas em 90 graus!!!
Segurança sempre em primeiro lugar, esta coisa de andar na estrada traz perigos acrescidos, para além da nossa responsabilidade como utilizadores partilhamos a estrada com bons e maus condutores, uns sem álcool e outros carregados com ele ou outras coisas.
Da nossa parte fazemos tudo para dar nas vistas!
Já em Tróia, metemos os pés nos pedais e começamos a pedalar.
Durante a semana passada partilhámos a incerteza de estarmos neste dia a fazer isto. O Windguru assegurou-nos que seria possível fazer o trajecto sem chuva, mas tendo o frio como companhia...
Grande parte do percurso pedalámos com temperaturas entre os 3 e 4 graus, em certas zonas 1grau... Em Sines o cheiro do processo de transformação do crude em combustíveis era bem forte... Talvez não seja o melhor destino de férias...
Parámos algumas vezes, mas não por muito tempo. As luvas, as capas dos sapatos e os dois pares de meias cumpriram a sua função. Mas depois de cada paragem o calor só voltava às mãos depois de alternar a sua passagem entre o guiador e o o enfia-las no casaco.
Umas vezes a falarmos sobre isto e aquilo.
Outras vezes silenciosamente a falarmos com os nossos pensamentos.
Porto Covo.
Já perto das 7:00 horas da manhã lá encontramos um café aberto finalmente comer e bebida quente!!! Uma lareira, acabadinha de fazer por um jovem bem atestado de minis Sagres, o tal que nos chamou "androides" e que achava que aquilo que o pessoal do "trial" (entenda-se triatlo) é que é difícil. Rapaz que até foi simpático já que "nos podia ter passado rente a nós para nos assustar" se quisesse... Pois é, na estrada encontramos muito tipo de pessoas...

Quando saímos do café já era bem de dia. Começamos a descer para depois da ponte de Odeceixe pararmos novamente para muito rapidamente meter os impermeáveis, não porque estava a chover mas sim porque estava um frio do caraças!!!
Continuo sem saber o que é aquilo!
Com frio de rachar, os quilómetros em cima do corpo e uma noite sem dormir fazem com que a montar na bicicleta caia para o lado. Só depois, lembrei-me que para montar na bicicleta numa subida é melhor fazê-lo virado para baixo... Uma mão inchada, nada mais.
Aljezur, faltam apenas 40 quilómetros.
Vamos então?
Sim vamos, mas eu cá estou com uma dor no joelho... É do frio. O sono preocupa-me porque uma coisa é andar a pedalar neste estado num circuito de uma prova de 24 horas, outra coisa é andar nesse assim na via pública. Os quilómetros depois de Aljezur foram difíceis para mim, atrasei a média que estávamos a fazer, mas para esta gente dos Brevets e dos Randonneurs, as médias não é o mais importante, o que interessa é chegar.
Mais uma paragem na Carrapateira (acho que foi aqui), uma Coca-cola e uma fatia de tarte de maçã e fiquei outro!!! Sim o joelho doía-me. Sim tinha que fazer mais força com a perna direita!
Mas esta paragem para comer, foi um milagre para o meu corpo, senti-me bastante melhor.
Uns quilómetros depois, lá estávamos nós a passar a placa mítica da vila de Sagres!
A minha montada. O reflector foi um improviso, mas funcionou.

Foi uma noite de sexta-feira e uma manhã de sábado diferentes das outras e na companhia de pessoal bem disposto. Foi bom ouvir e partilhar histórias, sentir o frio na cara, pedalar ao lado do mar, ouvir o vento nas folhas das árvores e sentir o conforto de uma paragem num snack-bar, beber um galão, comer uma tosta e beber um café. Sentir que vamos em boa companhia. Sim, esta coisa dos Randonneurs é outra coisa.
Randonneurs Portugal calendário dos Brevets 2011.
A mesma volta vista pelo Pedro Alves.