terça-feira, 13 de março de 2018

BIKE KILL NY


segunda-feira, 5 de março de 2018

Entrevista a UltraRomance

domingo, 4 de março de 2018

De Volta ao Pinhal a Fugir à Chuva

Não me posso queixar, até tenho conseguido dar umas boas escapadinhas de bicla. Este domingo comecei a volta à saída da Marinha Grande logo ali onde a mata nacional começa. Ir de Leiria a pedalar por uma estrada cheia de transito, já não é para mim. Não estou para isso, as tangentes são demasiado assustadoras e faz-me pensar na minha filha que quero continuar a ver durante muitos e bons anos. Foi por essa razão que vendi a bicla de estrada. Sim continuo a ter de pedalar na estrada, mas agora é só para fazer a ligação com os trilhos.

A previsão meteorológica indicava uma aberta na manhã e o regresso da chuva às 13:00 horas. Não fui logo em direcção a São Pedro de Moel. Segui um trilho para norte em direcção à estrada que vai para Pedreanes só aí virei para oeste com a ideia de ir até ao Poço dos Ingleses.
De vez em quando ouvia o roncar das motas a abrir pelos trilhos, há quem critique estas actividades nas matas, mas na verdade, são as motas e 4x4 que mantém muitos trilhos abertos e limpos. Depois da tragédia que aconteceu aqui no ano passado, deveríamos relativizar o efeito que estes veículos têm na mata. Já tive uma mota e um 4x4 e também andava por aqui com eles, as saudades são muitas. A certa altura passo por um grupo de motas, abrandam e eu afasto-me, gostamos todos de andar por aqui e todos nós desejávamos que estivesse tudo mais verde.
Não compreendo como é que ICNF criou uma série de entraves ao evento Pinhal das Artes que levou ao seu cancelamento em 2016. 


Há vida nas matas! Que pegada é esta? Tem pelo menos uns 7 ou 8 cm. Será de um javali? Ou de um daqueles veados que se soltaram de uma quinta perto da Nazaré quando foi o grande incêndio de Outubro? 

São assim as marcas deixadas por quem pedala com uma única uma mudança. A areia estava tão mole que mesmo com mais velocidades também teria que caminhar. Prevê-se ainda mais chuva. Portugal agradece. 

Ainda com o pó da prova do Juncal. 
Tenho umas botas (ou serão sapatos?) de inverno. Será que precisava disso? Até tinha umas capas de sapatos de neoprene, talvez até não necessitasse mas é aborrecido metê-las e como são abertas em baixo, acabam sempre, mais tarde ou mais cedo por meter água... Este ano investi nuns sapatos à prova de água, e vento. Construídos com uma membrana de Gore-Tex da marca Northwave, os Raptor GTX. Parecem umas botas, mas na verdade são sapatos, uma vez que acima do calcanhar já só tem uma manga de neoprene, o que permite uma grande liberdade de movimentos. Tenho-os utilizado nas saídas deste inverno e posso dizer que realmente resultam, nada de frio, mas também nada de condensação dentro dos sapatos. Utilizo-os com umas meias de lã merino também da Northwave e a membrana Gore-Tex permite mesmo que os pés respirem sem que entre água para dentro dos sapatos. Já tinha tido boas impressões destes sapatos, mas nada como comprovar por nós mesmos. 
A sensação de estar num lugar tão especial por não termos ninguém à nossa volta é única. Aqui e ali já comecei a ver vida. Há pinheiros que já não vão recuperar, mas há outros que sim. Gostei de ver que em algumas zonas já cortaram o que tinham a cortar mas não indiscriminadamente porque no meio desses, ficavam um ou outro de pé e com alguma caruma verde. 
Mais umas pedaladas e mais umas passadas com a bicicleta à mão e estou na ciclovia que vai da Praia da Vieira. Não queria ir logo para São Pedro de Moel, por isso mais à frente torno a virar para Este para passar numa subida de pedra que há antes de chegar à Ponte Nova. Depois segui por estrada até à Praia Velha. Esta estrada tem estado cortada desde os incêndio, está cheia de ramos e folhas. 
Depois de um café em São Pedro de Moel tomo a direcção da Marinha Grande, mais uma vez não vou pelo caminho mais curto e torno a ir pelos trilhos. Não sei bem por onde vou mas tenho uma relativa noção onde fica Este. 
Começa a chover na recta da ciclovia que me leva ao carro, depois de arrumar bicicleta começa a chover torrencialmente. São 13:00 horas.
Dados da Volta:
35 Kms
3 Horas Total
414 Mt Acumulado
15 Km/H Média

domingo, 25 de fevereiro de 2018

Fiz Uma Prova de 3H na SingleSpeed

Hoje concretizei uma vontade que tinha há algum tempo: participar numa prova com a bicla single speed.
Foto de Jorge Nunes
 A prova escolhida foi a Resistência de 3 horas do Juncal, por diversas razões. Uma delas era a prova ser organizada por pessoal que conheço há 10 anos. Foi com eles que partilhei aqueles trilhos fantásticos que existem entre o Juncal, Montes, Alcobaça e Porto de Mós. Entretanto deixei de morar naquela zona e a ligação com eles perdeu-se, por isso gostava de os rever.
Foto de Jorge Nunes
 Quis também fazer esta prova porque não tinha uma grande altimetria e a distância por volta não era muito grande, 5 quilómetros, o que para mim era importante, porque sendo curta, conseguia manter-me motivado pela rápida passagem pela zona de meta. Quem já fez provas em circuito sabe do que falo. O percurso estava muito bem conseguido, com estradões para as ultrapassagens e singles com muitas curvas.
Há quem diga que detesta andar às voltas. Compreendo que pode não ser muito motivante, mas, como tudo, depende do que queremos valorizar. Uma coisa que me agrada nos circuitos é que, ao passar repetidamente numa determinada parte mais difícil do circuito, posso tentar melhorar a técnica e velocidade na passagem nesse segmento. Bem... Isto, no meu caso, aplica-se às descidas, porque, em relação às subidas, nesta prova aconteceu o inverso...
Foto de Jorge Nunes
 Arranquei com dois colegas do trabalho que pouco depois deixei de ver. Um deles, o Mário, só o voltei a ver na última volta, mesmo a chegar à meta, quando me alcançou. Quanto ao Carlos, só o vi no final, já no carro. Em tom de brincadeira, disseram que o objectivo deles era alcançar-me: um deles conseguiu. Mas tendo em conta a desproporcionalidade da minha bicicleta, com 1 velocidade (32x19) para 11 (32x11/42) das bikes dos meus colegas, confesso que achava que essa passagem ocorresse mais cedo e por mais vezes.
Quanto à prova propriamente dita, correu bem. Nas primeiras 3 voltas consegui fazer todo o circuito a pedalar, as seguintes já tive de fazer duas subidas a pé. Sabia que tinha de andar, só não sabia quanto nem quando. Nunca me esforcei demasiado, porque sabia que com o decorrer da prova o cansaço iria aparecer e foi isso que aconteceu. Nas duas últimas voltas, passei a fazer a pé 3 subidas, uma mais longa do que as outras. Foi nessa altura que as cãibras apareceram – quando voltava a montar na bicicleta, pedalava com menos força na perna afectada e "pedia ajuda" à outra.

Para comer durante a prova, não trouxe nada dessas coisas da "nutrição desportiva". Na primeira volta ainda senti o pequeno-almoço na barriga, mas depois a coisa compôs-se. Aproveitei as subidas que fazia à mão para comer uns amendoins com sal, passas e tâmaras. Ao passar pela meta comi uns cubos de marmelada e ia enchendo o bidon com água e coca-cola.
Foto de Marco Belo
 No que toca à bicicleta, esteve quase tudo bem. Depois da terceira volta baixei a pressão do pneu da frente. Havia umas curvas em que os pneus eram postos à prova. Depois dessa alteração, deu para descer um pouco mais depressa sem perder tracção. Foi a primeira vez que fiz, com esta bicla, mais variações de terreno do que as ligeiras subidas que tenho feito no pinhal de Leiria. O quadro da Trek Superfly Pro SL é fantástico, parece uma suspensão total mas com uma precisão incrível. Também estou contente com a relação 32x19 em prova.
O ritmo também foi mais forte e isso repercutia-se na forma como pedalava. Notei que depois de um momento em roda livre, quando voltava a pedalar, havia um intervalo entre a força que fazia para baixo e o momento em que a força era transmitida à roda. Uns dias antes, tinha visto um vídeo a falar na conversão de um kit de 18 para 54 dentes no rachet das rodas DT Swiss. Esta modificação faz com que haja um intervalo menor na transmissão da força para a roda, o que em subidas mais técnicas e exigentes para as pernas até dá jeito.
Foto de Karine Constantino
2018 já está a ser um bom ano de pedaladas, não tanto pelos quilómetros, mas pelo gozo que tenho tido nas voltas que vou fazendo. Já estou a pensar numa maratona, mas tenho estado tão longe destas coisas que nem sei o que há por aí agora. Falaram-me na Rota da Chanfana, talvez seja um bom desafio.

Os dados da Prova:
Inscritos:128
Classificação Final:106
Quilómetros por volta: 5.2km
Altimetria por volta: 114mt
Voltas do mais rápido:14
Voltas dadas por mim: 9
Quilómetros totais: 46.8km
Altimetria total: 1031mt

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Upa, Upa, Maunça

Serra e muita pedra na companhia de dois amigos do pedal num dia cheio de sol com muitas subidas e melhores descidas. Assim foi este domingo.

Grande entusiasta da cenas radicais o André pedala sempre à procura daquela pedra que dê para dar um salto. 
Este rapaz é o Rafa, tem uma bicla da Decathlon e dá-lhe mesmo bem nas descidas. Não tem, ao contrário de mim, medo nenhum quando tem de descer uns trilhos mais complicados. A bicla não  o acompanha o seu andamento e já no regresso o eixo da frente rebentou, o que obrigou a um regresso quase a andar a pé.
 
O André ainda tem câmara-de-ar atrás e desce como se estivesse na Enduro World Series...  Resultado: Furo! Parece que é só o pneu morrer e a conversão a tubeless será concretizada muito brevemente. 
Os dados da volta:
Distância: 35.8km
Altimetria: 961m
Tempo da volta:3,09h

domingo, 4 de fevereiro de 2018

Alone in Curvachia

Volta pequena mas sempre boa até à Curvachia. Foram duas subidas e casa. A lama era muita o que dificultou as subidas, mas o dia estava soalheiro.

Já tenho um espigão telescópico, é usado e não funciona da melhor maneira, mas deu para perceber que realmente a condução em descida muda drasticamente para melhor. Não tenho muito jeito para descidas muito técnicas por isso este espigão veio mesmo a calhar.
 Um destes dias falo nas alterações que tenho feito nesta bicicleta.
Como às vezes gostaria de ter mais uns dentes para acrescentar a estes 42... Na verdade 42 dentes é suficiente, mas quando aparece uma subida mais longa e com muita pedra, torna-se mais difícil. Quando comprei esta cassete ainda não havia muitas com 46 dentes... Agora só há uma coisa a fazer, ganhar mais força nas pernas.

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

E três meses depois: bicicleta

Ao fim de três meses sem pedalar, saí. Estava hesitante entre fazer-me às subidas e descidas por pedra molhada e lama (com a suspensão total) ou dar uma volta maior ao longo do rio Lis (com a single speed). Esta paragem levava-me a ser razoável, por isso optei por não me alargar muito, nem em tempo nem em distância. Estou à porta de casa, pronto para sair: uma inspiração mais profunda, um clique do pé no pedal e arranco em direcção ao Lis.
Uma foto aqui, uma foto ali e depois de ziguezaguear no meio de tantas poças, estava na praia da Vieira. Tudo muito fácil - se voltasse agora, seria como uma das outras voltas. Mas hoje precisava de mais, sentia falta deste movimento forçadamente cadenciado que é pedalar. Queria esticar a corda, ir um pouco mais além.

Depois de tanto tempo parado (e não falo só dos últimos três meses), tinha vontade de fazer mais do que tenho feito. E, por esta ser a primeira volta de 2018, pus-me a caminho do Pedrógão e da Lagoa da Ervideira. Eram só mais uns quilómetros, mas os suficientes para me sentir já a fazer mais qualquer coisa.
O tempo fechado, com uma chuva miudinha e aquele nevoeiro escuro no fim da recta enorme em direcção à praia do Pedrógão fez-me sorrir por dentro. À primeira subida ligeiríssima, uma ameaça de cãibra. Já estava a contar com isso, e pus-me em pé sem forçar. As pernas só precisavam de mudar de posição. Consigo ou não consigo fazer isto sem grandes esforços?

Uma pedalada a seguir à outra e lá estava na lagoa. Meio objectivo cumprido, faltava voltar.
Pequena pausa para beber água e comer mais uns frutos secos e já estou de novo a pedalar. A sensação do regresso põe-me num lugar bom.
É altura de escolher o caminho de volta. Há alternativas, mas não as estudei, por isso não arrisquei. A areia molhada dava-me vontade de me enfiar neste ou naquele trilho, obrigando a orientar-me, mas o bom senso manteve-me na ciclovia até à praia, onde voltei para os caminhos nas margens do Lis.
Fiz 75 km, uma distância maior do que o maior percurso que tinha feito em 2017, que foi de 60 km. Não foi nada de especial, mas para quem tem estado tanto tempo parado, pedalar quatro horas e meia e acabar a sentir-se bem, já é motivo para algum contentamento.

Será que farei 100 km este ano, com esta bicla? Quem sabe... O que interessa agora é que as pedaladas de 2018 começaram bem.




quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Single Speed - Mais Difícil do que Parece?


Na minha SS tenho 32x19 estou satisfeito com esta mudança. Na estrada consigo 20km/h com uma cadência de 95/100ppm. O tensionador é da Surley, não sofro do mesmo problema apresentado no vídeo, mas também tenho andado mais em seco e na areia...

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Fui ver Como Ficou o Pinhal de Leiria

No dia 15 de Outubro deste ano um grande incêndio destruiu o Pinhal de Leiria. É nestas matas que tenho pedalado há mais de 30 anos que ando por aqui a pedalar,a correr ou simplesmente caminhar. Há uma semana voltei a fazer os mesmos caminhos que tenho feito e realmente mais de 80% ficou queimado.
A recuperação será lenta e progressiva, mais de 20 ou 40 anos para começar a ver resultados, vamos esperar que pelo menos seja bem planeada e implementada.
Vou voltar sempre, não é por estar feia que irei deixar de visitá-la. 

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Um Pouco Mais Alto e a Baixar o Selim.

Desta vez não me fiquei pelos trilhos da Curvachia e fui até à Senhora Do Monte. Tenho andado a pensar em comprar um espigão telescópico da FOX, por isso, montei um aperto rápido do selim e baixei-o quando fiz as descidas maiores e que diferença! Não há volta a dar. Quero um FOX Transfer!!!
Mais umas afinações no Rebound da suspensão e amortecedor, mexi também no Sag para aproveitar mais o curso disponível da suspensão.
Quanto à Trek Hi-Fi Pro 29... Não me canso dela e já a tenho há 6 anos!
Acabei a volta com 30 kms e 838 mt de acumulado, e o melhor é que foi sem dor de pernas nem caimbras.









quarta-feira, 16 de agosto de 2017

De Volta à Areia do Pinhal



Voltei às areias do Pinhal de Leiria. Já não pedalada aqui há meses. A areia seca não ajuda muito na progressão, as chuvas do outono e do inverno são bem favoráveis. Sabia disso, mas as saudades estavam ca, por isso fui.

Apesar de ter andado mais do que é habitual com a bicla à mão, gostei. Gostei muito. Só pedais, travões e pernas. Nada de escolhas, nada de ponho ou tiro esta ou aquela mudança.

Tenho gostado bastante de fazer umas descidas na suspensão total. Mas com esta rígida, é tudo mais directo. Pés para baixo e ela vai.
Está a faltar uma volta das grandes com muitas horas é quilómetros.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Nos Últimos Meses

Não saí muito, a SingleSpeed tem ficado em casa. A Suspensão Total é que tem saído com mais alguma frequência, voltas pequenas sem muita regularidade. Ainda assim tenho-me divertido. O facto da Google ter abandonado o Blogger nos telemóveis não ajuda nada nas actualizações aqui da página. Vamos ver  se consigo vir aqui com mais frequência.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Single Speed Fun

Sem grandes saídas mas tenho aproveitado estes dias de sol para pedalar com a Superfly 32X19. Fiz umas mudanças estéticas, mas continua tudo na mesma. Esta bicla é tão divertida!!!



terça-feira, 10 de maio de 2016

1x11 Aqui Vamos Nós!


Em 2008 quando comecei a pedalar com a roda 29, os andamentos que vinham na Gary Fisher Hi-Fi Pro 29,  eram 34/11 atrás e 44/32/22 à frente. Andamentos nada adaptados às rodas grande, por isso, assim que pude, troquei o prato de 44 por um de 42. Que diferença! Passei a utilizar este prato muitas mais vezes, uma vez que quase nunca utilizava o 44. 
Depois, mais tarde, passei para os dois pratos, fique com 36/22 e mantive a cassete 34/11. Com o desgaste da corrente e as voltas na lama, os chupões da corrente não eram permanentes mas quando aconteciam, eram bastante irritantes, até porque me obrigavam a um esforço extra de pedalar em 36x34 quando já estava cansado. 
Agora que era altura de mudar a transmissão, porque não passar a utilizar um só prato à frente? A decisão estava tomada. Faltava escolher entre Sram e Shimano. Já tinha pedalado com os dois grupos a robustez da Sram atrai-me tal como os punhos rotativos X0 que tenho utilizado nos últimos 3 ou 4 anos. Mas este ano quero mudar e a mudança vai para a Shimano XT em vez da transmissão da Sram o GX. A escolha deveu-se a várias razões. Primeiro, porque para a cassete da Sram, precisava de comprar um adaptador. Depois, por causa da possibilidade de utilizar o manipulo tanto como o polegar como com o indicador. E por último, os andamentos da cassete Shimano, aparentam estar mais bem escalonados do que a cassete Sram. 
Transmissão escolhida! 


Faltava saber que prato pôr à frente! 32 ou 30? Redonda ou oval?