segunda-feira, 28 de julho de 2008

As minhas12 Horas BTT em Proença-a-Nova

Sábado ás 15:00 tinha tudo preparado para a viagem, ainda voltei a casa umas duas vezes por coisas que me tinha esquecido, mas isso já é habitual... O único acessório que levei foi uma cadeira de lona que tirava do carro cada vez que lá ia, para descansar as pernas.
180kms Kms depois estava no Aeródromo de Proença-a-Nova, com o Alexandre, o organizador a fazer a recepção dos participantes que iam chegando.
Estacionei o carro e como fui sozinho, não tive que andar a montar a tenda.A primeira coisa que fiz foi ir levantar o dorsal ao hangar, as lembranças foi uma peça decorativa em madeira, a tradicional T-Shirt e um pinheirinho para plantar, a minha casa está rodeada de pinheiros, mas é isso mesmo que o planeta precisa não é?Depois de uma voltinha para ver como era o local, fui para o carro para tentar descansar um pouco, não consegui dormir, mas deu para descontrair. A certa altura oiço um helicóptero, a levantar voo e pouco tempo depois dois aviões tanque, mais um incêndio... Voltam a aterrar e a levantar voo mais uma vez, parece que o assunto ficou tratado!
Hora de comer o delicioso jantar que preparei, massa com atum...
19:00 da tarde, ponho as rodas na bicicleta e fui dar uma volta pelo circuito, nas 24 horas de Lisboa não fiz o reconhecimento, mas lá a prova começava de dia e aqui de noite e para não ter surpresas, lá fui.
Os trilhos eram largos e talvez por isso ninguém me pediu para "dar um jeitinho" para o lado. Só havia um trilho estreito, logo a seguir à descida mais perigosa.
Tenho que evidenciar as marcações! (esqueci-me de tirar uma fotografia), o percurso estava marcado com paus e placas com fita reflectora de várias cores, o que resultou muito bem! E pó, muito pó!Quando voltei ao carro, troquei o pneu de trás (IRC Serac 1.95)por outro igual e gasto mas com um pouco mais de cardado, o percurso tinha uma série de descidas rápidas e outras tantas subidas, iria precisar que o pneu de trás agarrasse. Creio que a única zona plana era na parte asfaltada perto da meta!
21:00 Pôr o dorsal e vestir, na parte de trás do dorsal estava um autocolante com um chip que funcionava através de dois sensores que estavam na zona da meta ao nível dos guiadores.Nunca tinha visto este sistema, parece interessante e nada complicado pelo menos para os participantes. 21:15 O Alexandre faz o breefing, lembrando as zonas mais perigosas, lembrou que queria fazer a partida tipo "Le Mans" (o pessoal todo a correr para apanhar a bicicleta, como fazem nos EUA), mas não foi possível, fica para a próxima.
10:00 Partida! Cá vamos nós. Grande nuvem de pó!!! Só dei uma volta à pista e de noite parecia tudo parecia diferente, ainda levou mais uma ou duas volta para que todos se dispersassem pela totalidade do circuito.
O plano que estabeleci foi dividir as 12 horas em 3 partes de 4 horas, das 22:00 ás 02:00; das 02:00 ás 06:00 e das 06:00 ás 10:00.
22:00 ás 02:00 - O Pó, a chuva da última semana não passou por aqui, e em certos locais havia poças de uma areia tão fina como pó de talco! Levei a luz na cabeça, por isso o foco iluminava o pó mesmo à frente dos olhos... A luz dada pelos Leds é boa e a minha bateria a alternar entre a intensidade mínima e média, durou a noite toda, mas tem um ponto fraco, a luz branca corta um bocado com a leitura do terreno em comparação com as luzes tradicionais, com uma luz mais quente, o terreno fica mais legível, 6 horas deu para tirar esta conclusão! Não levei a mochila, nas 24 horas levei-a e fiquei com uma dor forte no pescoço e desta vez não queria que isso tornasse a acontecer, volta sim, volta não passava pelo carro para ir buscar água com os pózinhos, desta vez abri também as embalagens das barras energéticas antes de as meter no jersey, sempre poupei mais um tempinho, pois como levo luvas fechadas, custa-me sempre abrir estas embalagens...
02:00-06:00 - Pelas 2 horas , fui ao carro para me abastecer e esticar as pernas e ver a classificação. Na altura em que fui levantar o dorsal, o Paulo Alexandre, explicou-me como é que a coisa funcionava com a informação das classificações, no hangar iria esta um computador onde bastava clicar na nossa categoria e logo aparecia a classificação, também dava para inserir o nosso dorsal e a informação aparecia toda, volta a volta incluído. Fui lá e verifiquei que estava na 10ª posição, atrás do António Girão!!! Uau! A "táctica" estava a resultar, a ideia era aproveitar as descidas para ganhar o tempo gasto nas subidas e para passar pouco tempo nos abastecimentos.
Mas nestas coisas acontecem sempre imprevistos... Estava com uma dor aguda no estômago... Creio que foi dos líquidos, provavelmente estava a beber demais, comi mais barras e gels em intervalos mais pequenos de 40 a 50 minutos e continuei a beber os líquidos mas com goladas mais pequenas. A dor continuou mas em intervalos mais longos. Entretanto o António Girão, passava por mim nas subidas como se estivesse a dar a sua última volta!
Ás 5,30 fiz o intervalo que estava previsto para as 6:00, corrente partida a 2 kms da meta, creio que nunca tinha partido uma corrente, era previsível, o sobe e desce constante obrigava a passar as mudanças de um lado aos outro, e aquela descida mais forte que terminava num regueiro e logo a subir a pique deu cabo do resto, pouco depois a corrente fez um barulho forte ainda pedalei para trás, podia ser a corrente a ficar entalada entre o quadro e os dentes, mas não, estava mesmo partida, corrente dentro do bolso pé a a caminho, pela primeira vez utilizei um elo rápido, nunca tinha utilizado, limpei a corrente com WD40 e lubrifiquei-a lavei as mãos com um papel húmido com cheiro a limão (vieram no saco das lembranças) comi o queque que tinha guardado para esta altura, foi uma prenda que dei a mim mesmo, deu para acalmar o estômago. Lavei os óculos e passei a ver o percurso bastante melhor pelo menos durante mais umas duas voltas. Fui ver as classificações estava em 13ª e o António Girão estava na 3ª posição!
Na minha volta de reconhecimento à tarde, levei cerca de 30 minutos a dar a volta, mas era de dia e estava fresquinho, aí até achei que apesar do sobe e desce até não era difícil, mas depois de 7 horas tinha mudado de opinião, não fiz nenhuma subida a pé, mas lá que custava, custava... A descida perigosa desci a primeira vez a pé, mas depois foi sempre montado, ás vezes é menos perigoso descer montado do que a pé, acreditem, tive mais medo depois da descida, pois ganhava-se uma grande velocidade e logo a seguir, havia umas pedras valentes com umas lombas...
06:00-10:00 A manhã trouxe a luz, como é que era possível ter feito aquelas descidas sem ver bem à noite??!!!! Agora tenho a sensação que desci a sentir mais o terreno com os pneus do que com os olhos, acreditem ou não. Entre as 6 e as 7, deu-me o sono a valer, montado na bicicleta, foi como se estivesse a dormir, mas montado na bicicleta, comecei a cantar uma lenga-lenga qualquer, deve ter sido a volta mais lenta, fui passado por uma participante que me deve ter achado um pouco, digamos que com uns parafusos a menos, meia hora depois de chegar ao carro, passar a cara por água e beber mais um Red Bull, a fase mais estranha e difícil da prova estava passada.
Agora era mais fácil, era domingo de manhã, era como se fosse um passeio de Domingo mas que acabava mais cedo, lá para as 10 da manhã. Não parei para o pequeno almoço, que estava marcado creio que para as 9:00 vi uma mesa creio que com laranjas, mas a verdade é que nem me lembrei de parar. 9:00, queria passar na meta antes das 10:00 para conseguir dar mais uma volta, mesmos que essa última volta demorasse mais tempo. Foi nesta altura que falei com outro participante, disse-lhe: "Hoje já não passo mais por aqui..." e pronto começamos uma conversa que durou os últimos 4 ou 5 kms da prova, o que fez com que a nossa cabeça se esquecesse do cansaço. O meu colega de volta, já era veterano nestas andanças com participações nas várias provas de 24 horas do nosso Portugal e também participava a solo! No fim cumprimentamo-nos e não o tornei a ver. Hoje, enquanto navegava à procura do rescaldo das 12 horas encontrei o blog do Paulo Vieira, o meu colega da última volta!!! Porreiro, o meu colega de volta é um blogger.
Já de manhã...
A minha montada
Fim de Prova, passei pelo computador com a informação da classificação, estava em 9º, fiquei bastante satisfeito, mas ainda não eram as classificações finais. Lavei a bicicleta arrumei-a no carro e fui tomar banho, a organização improvisou uns chuveiros para os homens, não os vi porque tentei a sorte no único chuveiro no hangar, e tive sorte, não estava lá ninguém.Já falei nisto algumas vezes, mas era só para dizer que o último design dos punhos, estão aprovados!
Devo ter bebido mais de um litro de Coca-Cola...
Almoço, servido à maneira, servidos como se estivéssemos num casamento, o pessoal que estava a servir vestidos a rigor com camisa branca colete preto. Uma grande variedade de massas e lasanha bem como uma bela sopa, o melhor almoço que já tive nestes eventos. Almoçei com os meus vizinhos do lado uma equipa de dois, tiveram um furo e um desviador partido obrigou-os a utilizar a mesma bicicleta, selim para cima e para baixo... Mas o que interessa é acabar.
Nem esperei pelo café, fui à procura de uma sombra abri as janelas e descansei um pouco no carro, meio atravessado mas deu para descansar, uma hora ou duas depois arranquei e fiz os 180 kms de volta a casa.
O Recaldo e fotografias no Forum BTT.
O site da prova 12 Horas BTT.

7 comentários:

Marco Belo a.k.a. zOmBie disse...

Muito bem João! Parabéns por mais um desafio ultrapassado! ;)
Abraço.

As Minhas Pedaladas disse...

Pena foi que o pessoal não tenham podido vir, tinham-se divertido à brava...

João

the original big ring disse...

you got to get yourself some Ergon grips there Joao!

Cheers!

Pedro Alves disse...

Olá João,

Foram os seus regressos a casa e as minhas listas intermináveis de coisas para levar...
Se isto das cadeira de lona pega passa a ser um acessório para levar às costas. Muito jeito me deu também.
O teu plano de dividir as 12 horas em 4 é radical... 4 horas é tanto tempo, mas o facto dessas provas serem em circuito e de se ir tendo companhia deve ter as suas especificidades
Essa das laranjas ao pequeno almoço é para testar a resistência dos estômagos? Quem comesse laranjas devia ter bónus no tempo final.

Boas pedaladas

As Minhas Pedaladas disse...

As 4 horas serviu apenas para metas mentais, tipo objectivos intermédios. O que se passou foi que como não quis levar a mochila com a água, acabei por a cada duas voltas que dava parava uma vez para reabastecer de água. no intervalo das 2 e das 6 horas parei mais um pouco, estendi as pernas, tentei comer mais qualquer coisa e bebi um batido de proteínas. Mas a cadeira da Decathlon realmente deu jeito. Quanto ás laranjas tenho pena de não ter comido, gosto mesmo de fruta...

As Minhas Pedaladas disse...

Hi, Craig you are right, but before buying them I needed to test the concept before.
I guess I know the model that I want:

GX1 http://www.ergon-bike.com/en/grips/gx1.html

João

Pedro Alves disse...

Pois a questão das costas e dos "camelbacks", é sempre uma escolha difícil...
Eu sou adepto. A segurança adicional e facilidade de beber, no meu caso, compensa a questão das dores nas costas, de outra forma nunca conseguiria beber 1.5l hora.

Boas pedaladas