segunda-feira, 10 de novembro de 2008

A 34ª Meia-Maratona da Nazaré.

Na noite de Sábado fui até à Nazaré para levantar o chip, no site da prova anunciou que a hora de abertura do secretariado seria as 20:00, mas quando cheguei eu e o mais participantes, vimos que afinal a hora tinha sido alterada para as 21:00. Fui até à pastelaria Batel, beber um galão e comer a famosa broa de mel, que desde o inicio desta prova, é oferecida no final dos 21kms.
Já em casa verifiquei que o dorsal este ano seria personalizado.
No domingo de manhã, lá estava eu mais 1300 participantes, desta vez optei por não levar a bolsa à cintura, pois no ano passado estorvou mais do que ajudou, como costumo correr com uns calções de praia que tem um bolso atrás foi aí que meti tudo o que precisava, o telemóvel com mp3 e rádio, a chave do carro e 4 gels da Decathlon, dois maiores de Endurace e mais dois de bisnaga. Como é hábito foi a Rosa Mota que deu a partida e lá começamos a correr.
Devagar devagarinho para não me esgotar logo ao principio e rapidamente fui vendo aquela massa de atletas a passarem-me... Quando começo a descer para a praia 4 kms depois a minha esposa telefona-me a perguntar aonde é eu estava, porque já tinha passado quase todos os participantes...
Passo por ela e pela minha filha e dirijo-me à marginal novamente para seguir em direcção ao porto de abrigo, por vezes alguém grita o meu nome, sensação estranha mas agradavelmente motivadora, a consequência de levar o dorsal com o nosso nome. Depois de passar o Porto de abrigo começo a fazer as curvas que me levam em direcção a Famalicão da Nazaré, começo a notar que o relevo do alcatrão nas curvas causa-me algum mau estar nos tornozelos, mas tudo bem, ainda é cedo.
Fico perto de um grupo em que uma atleta começo à um ano a correr e já tinha participado em mais de três ou quatro meias-maratonas, o seu objectivo tinha sido perder peso, tendo tirado 15 cms da cintura e pela conversa, agora a corrida já não era apenas perder peso, mas sim divertir-se saudavelmente. Entretanto passa por nó o único participante em cadeira de rodas, não consigo evitar um tremor pelo corpo cada vez que vejo um atleta com cadeira de rodas, eu e o pessoal batemos palmas em sinal de respeito pela força e motivação. Mas logo de seguida arrependi-me te ter batido palmas, e meti-me na posição deste corredor: "Porque carga de água, estão a bater-me palmas? Acham que sou menos do que eles? Estarei a fazer alguma coisa que eles não estejam a fazer? Não estamos todos na mesma corrida? Ou o meu suor é diferente do deles?" Na verdade as palmas que batemos a este atleta não foi por ele ser deficiente e estar a fazer uma coisa "espectacular", mas sim, por respeito à sua força de vontade e de não se resignar e manter o seu coração a bater e a suar. Essa sensação é única e comum a todos os que ali estavam e por isso creio que para a próxima vez que me cruzar com um outro atleta com deficiência não voltarei a bater palmas porque para isso teriam que bater palmas a todos o outro que ali estavam.
Depois, um outro corredor mostra-me o hematoma que fez ao ir de encontro a uma das divisórias que estavam no meio do percurso, estava bem negro, começamos a falar e sem nos darmos conta avançamos a um ritmo mais rápido para o ponto de viragem da corrida ao Km 12 ou 13, o pelotão da corrida já à algum tempo se tinha cruzado connosco. Antes de cada posto de abastecimento de água tomava um gel, isto repetiu-se 5 em 5 kms, boa opção pois nunca me senti cansado por falta de alimento.
Eu e o meu companheiro de corrida lá fomos correndo um ao lado do outro, falando disto e daquilo, sem reparar no local onde no ano passado cheguei a andar, passei a correr, mas à medida que os kms se aproximavam do fim, uma dor na perna direita ia aumentanto assim como o meu ritmo cardiaco (160bpm de média).
A 2 kms do fim, não consegui acompanhar o meu companheiro a perna direita estava a queixar-se e abrandei o ritmo apesar da motivação que ele deu. Felizmente eu sei os meus limites e sei que tenho que os respeitar, ele segui em frente e é assim que gosto que as coisas se passem, estamos juntos em quanto der se um de nós ficar para trás o outro tem que seguir a sua corrida, umas vezes ficou eu para trás, outras vezes sou eu que sigo em frente.
Recta final, na marginal é incrível a quantidade de garrafas e tampas espalhadas pelo chão, temos que ter cuidado para não tropeçarmos entretanto passa por mim a carrinha com os painéis com a marcação dos Kms, já estão poucos atrás de mim, passo a meta, 2:18 minutos.
Encontro-me com o meu companheiro de prova, agradecemos a companhia um ao outro, entrego o chip e levanto o saco com os brindes deste ano, meto a mão lá dentro para apanhar a broa de mel que como de imediato, telefono à família e vou para o carro a coxear da perna direita, o dia de Sábado no Festival Bike tinha deixado mazelas, já não andava de bicicleta à duas semanas e creio que puxei demais por mim quando testei 5 bicicletas...
Quando vou para o carro passam os dois últimos corredores, um Português e um Inglês, com mais de 50 anos a correr com uma camisola de um clube algarvio.
Hoje, segunda feira só me doi a perna direita a esquerda está boa, até os tornozelos estão bons...
Vou deixar o Voltaren fazer efeito...

4 comentários:

Carlos Lopes disse...

parabéns por mais esta prova

Marco Belo a.k.a. zOmBie disse...

Parabéns Johnny! =)
Então e a foto/report da Festibike e da comitiva do Clube BTT Juncal? hun? hun? =P
Abraços.

ruiruim disse...

sempre fizeste! parabens!

João disse...

Olá,
Obrigado pelos parabéns, pois é sempre acabei por conseguir fazer os 21kms, com o tempo oficial de 2:22horas, o último da minha categoria, poderia ter feito melhor mas como já disse antes, tenho um alarme interno que me abranda antes de qualquer exagero. Também estava calor, pelo menos para quem treinou de noite a temperaturas abaixo dos 10ºc.
Mas realmente acabei e isso é quem interessa!
MAis uma vez obrigado.
João