segunda-feira, 4 de maio de 2009

Portalegre foi assim:

SEXTA-FEIRA,
08:00 - Volta matinal.
16:00 - Com a bicla e o resto da tralha no carro, parto em direcção à Meca do BTT nacional, já na A23, começo a ver os peregrinos dentro dos seus carros com as suas máquinas em cima dos carros. Na estação de serviço de Abrantes, mais bicicletas, dois dedos de conversa com o pessoal do BTT de Alpedriz e lá sigo eu.
18:00 - Chego a Portalegre, vou directo a casa do meu amigo Pedro e da Gina,que me vão hospedar por uma noite. Antes do jantar, saimos para uma pequena refeição cheia de nutrientes e sais minerais, em fim, cada um tem os seus segredos!!!
21:00 - Vou com o Pedro estacionar o carro junto ao estádio para no Sábado poder logo arrumar a bicicleta e tomar banho. O Marco e a malta, já lá está, encontramo-nos no Intermarché, o único supermercado que se lembrou de fazer negócio neste dia de feriado, ainda bem pois os outros estavam todos fechados.
22:00 - Jantar, conversa, net, conversa, cama.
SÁBADO
06:30 - Tocam os telemóveis, dois para não haver falhas, faço o pequeno almoço, já sabem qual, exagero um pouco na dose, pois a manhã promete e tenho tempo para fazer a digestão. Meto a água com os pós isotónicos no saco do Camelbak, bem como a tralha toda, alicate, chaves, 2 câmaras de ar, desmonta corrente,bomba, etc. Tenho uma bolsa para levar tudo no selim, mas com tanta subida a bicicleta tinha que estar o mais leve possível. Depois ver se não me esquecia de nada, parti em direcção ao controlo zero.8:00 - Depois de picar o dorsal posiciono-me na linha de partida, fico uns bons metros atrás da primeira curva, rapidamente o espaço vazio atrás de mim fica preenchido. Um visitante do blog, diz-me olá, falamos um pouco, é de Peniche, espero que não tenha sido um dos contemplados com um espalho! Entretanto vou-me entretendo a raspar uns excessos de fita-cola, olho à volta aprecio as máquinas e o pessoal, tiro umas fotografias e pronto é hora de partir. Ponho o Conta-quilometros a zero ligo e ligo o pulsometro.
9:00 -Partida, depois da maratona do Centro, decidi que tinha que partir mais rápido, custasse o que custasse, mesmo que as pernas ficassem a arder, sabia que depois tudo se compunha e encontrariam o seu ritmo próprio. É engraçado como no meio de tanta gente conseguimos encontrar pessoal amigo! Pouco depois de passar por baixo da ponte, de acesso a Portalegre encontro o Vítor Martins e o seu colega de pedaladas, falamos um pouco, aparece o separador central, tomamos direcções diferentes e não nos tornamos a ver.
Curva em cotovelo, chega a grande subida de asfalto. Com as pernas mais compostas, concentro-me. Sou passado por outro participantes mas , tenho a sensação que ainda assim estou a conseguir aumentar o ritmo, quero avançar o mais depressa possível antes da entrada em terra. Logo ali aparece a separação da meia para maratona, boa aposta, assim não haveria ninguém a empatar os que iam para os 100kms.
Chegam os trilhos. Pedra, muita pedra, levo os pneus com 30 psi atrás, à frente um pouco menos, parece que acertei, mais pressão e a bicicleta com tantas pedras e pedrinhas iria saltar muito tornar-se-ia desconfortável, menos ar e sujeitava-me a rasgar o pneu. Muitos foram os que tiveram furos, eu desde que montei a fita tubeless não tive mais furos, sorte talvez.
Consigo manter o ritmo o coração mantém-se entre os 160 e os 170 bpm, está onde eu quero, se ficar mesmo cansado só tenho que parar e recuperar, por agora ainda não é preciso. Nas subidas, no asfalto e quando me levanto, bloqueio tudo, nas subidas mais técnicas e descidas, desactivo o Propedal agarro os avanços e olho para a roda do que vai à minha frente, quando sinto que o ritmo está a abrandar ponho-me ao lado, aumento o ritmo e concentro-me na roda do que está lá mais à frente. Chegamos à subida das antenas, as pernas estão cansadas mas com vontade de continuar.As antenas estão mais perto, não parei no primeiro abastecimento por isso, achei melhor fazer aqui uma paragem, como uns gomos de laranja, no abastecimento da Isostar, bebo uns copos de uma bebida isotónica fresca e com um sabor agradável, ainda não tinha experimentado, apanho uma barra energética, encho a garrafa e sigo.
Começamos a descer, daqui para a frente, já não haveria grandes subidas, concentro-me pois não me posso distrair, roda mal direccionada pode fazer-me ver o chão de mais perto e eu não quero isso. A certa altura estou a descer um trilho com umas regueiras enormes, entro nelas, deixo a bicicleta fluir por debaixo de mim, não sei bem como, mas saio delas. Mais há frente uns degraus, que aparentemente não são nada de especial mas a 30 ou a 40 kms por hora podem ser bastante perigosos, meto travões, não quero cair tão perto do final. Umas pequenas subidas e as pernas começam a queixar-se. com caimbras, alivio a pedalada, levanto-se, sento-me mais para trás e elas desaparecem. Leva barras energéticas, mas faltava-me aquela energia turbonica que só os gels dão,ficaram em casa...
Apesar do conta-quilometros ter parado aos 20 kms, sabia que a meta estava quase, mais uma marteladas nos pedais, após 3 horas e 17 minutos estava na meta. Fico ainda um pouco por ali a falar com o pessoal amigo, sigo para o estádio de futebol para um banho. No regresso, ainda vejo um helicóptero com uma ambulância por perto, imagino que poderá ter sucedido algo de mais grave.
Sigo caminho para casa, paro novamente na estação de serviço de Abrantes, encontro o João Teixeira da Tomazzini, mais meia hora de conversa, sobre roda 29 e provas 24 horas.
18:00 Chego a casa.
CONCLUSÕES:
Prova dificil onde tinha objectivos concretos, dar o meu melhor sem estar a pensar muito em gestão do esforço, por isso mesmo escolhi os 54kms da meia-maratona. Confesso que fiquei surpreendido comigo próprio, quando consegui manter a minha posição na subida das antenas, tendo ainda passado alguns atletas.
O Camelbak foi uma boa opção, fui bebendo com regularidade. Se bebesse pelas garrafas, teria aumentado as probabilidades de cair e de não beber à espera de encontrar um sitio que desse para agarrar a garrafa.
Roda 29 não posso poupar elogios à minha querida bicicleta, portou-se lindamente, não necessito de mudanças mais leves que a relação 22x34, apesar de que um prato de 42 dentes provavelmente seria uma boa opção. Nas subidas a cada pedaladas ela andava mesmo! Nas descidas, ainda me safou de uma ou duas curvas em que o pneu da frente ameaçou fugir, ao deixar-me corrigir a trajectória. Nas valas causadas pela chuva e nos degraus, estou certo que foi graças à sua estabilidade que me safou de uma queda.
Classificação, 137º lugar em mais de 2000 participantes da meia maratona, com o tempo de 3:17, foi mesmo exactamente menos uma hora que o meu tempo em 2007 em que não passei pelas antenas!
Gostei de ver um bttista do clube Millenniumbcp que acompanhei na subida das antenas. Levava pedais de plataforma e o selim baixo demais para a altura dele, acho que chegou antes de mim. Se alguém o conhecer aconselhem-no a usar uns pedais de encaixe e a ajustar melhor a posição dele em cima da bicicleta, ele parece ter um grande potencial.
O que menos gostei foi de não ter carregado no start do pulsometro, liguei-o, via as pulsações e por isso achei que estava tudo bem, no final fui para analisar os dados e nada, vazio!!! Bolas, logo agora, na prova em que mais me esforcei! Nada...
Foi bom ver que os treinos têm dado resultado.
Próximo Sábado estarei em Castelo Branco.

12 comentários:

Macrobiótico disse...

Que legal João! Você tem mandado bem... Fico até meio envergonhado. Fiz uns 47km esse domingo em 3h20 e você fez 100km.
Acho que preciso começar levar a sério e começar a treinar mesmo. =)

As Minhas Pedaladas disse...

Não fiz os 100kms, foram apenas os 55kms!!!

Macrobiótico disse...

Ufa! Que alívio... hehehe.
Mesmo assim, parabéns!

Lébre disse...

olá companheiro tiveste muito bem pena foi não teres feito os 100km mas como há muita prova está tudo bem. sesta falamos enquanto bebemos uma mini hi hi hi...
voltei a ter um entorce...

As Minhas Pedaladas disse...

Olá Lebre! Não fui aos 100kms para não levar um empeno brutal, pois no próximo Sábado estarei nas 24 horas de Castelo Branco. Por isso terei que a mini mais uma semana.

ruiruim disse...

Boa prova! Belo tempo! tás começar a ficar afinadinho anh?

Pedro Alves disse...

Olá,

Boas sensações essas em Portalegre. Pena os dados não terem ficado em stock... tecnologia tem dessas coisas

Bom tapering para as 24 horas.

TC Projeto Triathlon (Tuco) disse...

Fala João... Adorei a sua descrição da prova. Muito boa mesmo... Parabéns pelo tempo e pela distância. Ah, dá uma olhada no meu blog, pois postei mais fotos, inspirado no seu jeito de postar... Acho que ficou legal. No mais, obrigado pelo apoio, e sabes que tem um amigo aqui no Brasil pra toda hora!!! Abração e fique com Deus! Bons treinos!! Tuco

Anónimo disse...

Bom resultado, parabéns.
Tendo em conta que tens as 24h para a semana, ter que fazer essa gestão não é fácil.

Queria aproveitar o teu post para pedir uma opinião.
Quando referes que colocaste todo o material no camelbak para retirar o peso da bicicleta por causa das subidas. Essa mudança é mesmo significativa?
É que não gosto nada de levar "peso" às costas e opto por levar tudo na bicicleta, mas já tinha pensado nessa questão.
Retirar o peso da bicicleta para as costas não leva ao mesmo? No total o peso global é o mesmo?
Obrigado e boas pedaladas.

Anthology disse...

Parabéns uma vez mais por mais uma experiência em duas rodas.

carneiro disse...

então o segredo são os escargots...

As Minhas Pedaladas disse...

Obrigado pelos comentários, dão-me muita força para continuar com o blog!
Rui, então e a Ronda!!!Só falta quase uma semana! tens que dizer a hora da partida, para enviarmos muita energia positiva para ti!
Pedro, o tapering é quase forçado, pois não tenho tido muitas
possibilidades de andar esta semana!
Tuco, você e o Macrobiotico estão a mudar a minha opinião do Brasil, é esta partilha de experiências que nos põe mais próximos.
Anónimo, meti tudo no camelback porque tinha espaço, não sei se ajuda muito mas numa prova curta e com muitas subidas quanto menos peso na bicicleta melhor, mas o seu comentário deu-me uma ideia para um Post! Obrigado.
Anthology, obrigado pela força.
Amigo Carneiro, estava a ver que ninguém comentava os caracóis!!! O segredo mesmo foi o mix com uma (2) cervejas pretas e pão com manteiga, segundo parece as gorduras (boas) ajudam a absorver melhor os nutrientes....